Alunos de Escola Municipal desenvolvem sistema para proteger animais silvestres nas rodovias

Alunos de robótica do 7º ao 9º ano de escola municipal de Curitiba apresentaram projeto inovador para a prevenção de atropelamento de animais silvestres nas rodovias

Por Heloísa Ferreira Lima

Um estudo da Universidade Federal de Lavras (UFLA), aponta que mais de 475 milhões de animais morrem atropelados anualmente em rodovias de todo país. De acordo com Alex Bager, pesquisador da UFLA, a cada segundo 15 animais morrem no país. A região Sul é a segunda no ranking de atropelamentos, 20% dos acidentes acontecem na BR-277.

Sabendo disso, estudantes de robótica da Escola Municipal Durival Britto e Silva, de Curitiba, criaram o projeto SOS Tamanduá Mirim. O projeto foi desenvolvido para o campeonato First Lego League (FLL), que todo ano desafia alunos do mundo inteiro a criarem soluções tecnológicas para um determinado tema. Em 2015 o tema foi Animal Allies, que tinha como objetivo a integração do ser humano com animais, pensando em como a sociedade poderia ajudá-los.

Foi aí que surgiu a ideia de criar uma solução para os atropelamentos na rodovia que liga a capital paranaense ao litoral. O sistema criado pelos alunos consiste em duas câmeras com sensores que quando colocadas na rodovia, detectam o movimento de animais. Caso tenha movimento, é enviado uma mensagem para uma placa eletrônica alertando a redução de velocidade para 60 km/h para evitar riscos de acidentes. Além do alerta aos motoristas, os sensores das câmeras enviam informações e imagens para uma equipe de monitoramento, que poderá diagnosticar quais as razões para o aparecimento de animais na pista.

 

Alunos do projeto em visita técnica à SEMA – Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Foto: Arquivo Pessoal)

 

O grupo tem intenção de implantar o projeto na região de florestas na rodovia Serra do Mar, onde é possível encontrar um grande número de tamanduás mirins, considerados mira fácil para acidentes nas rodovias. Os estudantes apresentaram o projeto SOS Tamanduá Mirim para a Ecovia, empresa que cuida das rodovias nesse trajeto, e segundo o grupo, a empresa se interessou e está analisando recursos financeiros para por o sistema em prática.

Uma das participantes, Maria Eduarda Mello (13), conta que aprendeu muito durante processo “O que mais nos impressionou foi a apuração dos dados, o grande número de animais e espécies diferentes que são atropelados por ano no Brasil” afirma a estudante.

Monique Nogueira (13), também aluna e participante do projeto, diz que o desafio ocupou um tempo grande em sua carga horária “Passamos mais tempo entre colegas do que com as nossas famílias, criamos um laço bem forte de amizade.”

 

Equipe responsável pelo projeto participando de campeonato em São Paulo (Foto: Arquivo Pessoal)

 

Neste ano, a equipe está sendo apoiada pela empresa Rumo e deverá participar da edição 2017 da Olimpíada Brasileira de Robótica e da Mostra Nacional de Robótica. Além disso, os alunos acreditam que o projeto possa ser implantado em breve e estão ansiosos para ver o esforço dando resultado e salvando cada vez mais animais silvestres nas rodovias.

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *