Calistenia: uma prática esportiva que atrai olhares

Recente no Brasil, a calistenia surge como uma alternativa para quem gosta de exercícios ao ar livre

calistenia1
No começo, os praticantes normalmente só fazem push ups (barras) para ganhar força nos ombros e nas costas. Alguns movimentos podem demorar anos para serem feitos da maneira correta. (Foto: Plínio Lopes)

É sábado ensolarado no Parque Barigui quando uma criança fala alto: “Pai, olha o que o moço tá fazendo”, apontando sem nenhum pudor para um grupo de rapazes praticando calistenia. Atividade pouco conhecida no Brasil, a calistenia recebe olhares de admiração não só de crianças, mas de famílias inteiras, que param para observar a execução dos movimentos. Apesar dessa curiosidade, os benefícios dessa prática esportiva e a existência de um grupo curitibano envolvido são informações desconhecidas pelo público, que ainda estranha o nome do esporte.
A calistenia é uma prática esportiva estética, com elementos da ginástica olímpica, que utiliza o peso corporal para realizar os movimentos e acrobacias nas barras de ferro e em outros suportes, como árvores e postes A grande diferença é que a prática trabalha o corpo todo, ao contrário das academias convencionais, que geralmente trabalham com exercícios isolados, focando um grupo muscular de cada vez. Ao ar livre e de graça, os exercícios do body weight training, ou treinamento com o peso corporal, foram considerados uma tendência fitness pela pesquisa do Colégio Americano de Medicina do Esporte (2016).

Diego Porphirio executando um dos movimentos da calistenia chamado de ‘’human flag’’ (bandeira humana). Foto: Plínio Lopes
Diego Porphirio executando um dos movimentos da calistenia chamado de ‘’human flag’’ (bandeira humana). Foto: Plínio Lopes

Entre os benefícios da prática estão a resistência, força, potência, flexibilidade e mobilidade técnica. No Brasil, Luiz Otávio Mesquita e Pedro Mazzon Garcia foram responsáveis por formar o primeiro grupo reconhecido pela Federação Mundial de Street Workout e Calistenia, o Calistenia Brasil, em 2013. Já em Curitiba, o grupo foi reunido por Diego Porphirio, 30 anos, técnico em edificações, que pratica o esporte há cerca de um ano.
O grupo Street Workout e Calistenia CTBA conta com cerca de 200 membros que se reúnem pelos parques da cidade. Diego Porphirio explica que formou o grupo depois de começar a treinar e perceber que muitas pessoas se interessaram pela prática. “Já conseguimos reunir 50 pessoas em um único dia no Parque Barigui”, conta. A atividade conquista participantes porque pode ser feita em qualquer lugar, geralmente ao ar livre. “A academia fecha e tem horário, enquanto os parques não. Você vem na hora que quer”, afirma Porphirio. O esporte também atrai pela definição corporal porque trabalha todos os músculos, porém Diego destaca que a atividade trabalha com o domínio do corpo e da mente, já que os movimentos exigem muita concentração. É aquele velho ditado: mens sana in corpore sano (uma mente sã num corpo são).

A calistenia proporciona um contato com a natureza bem maior que a maioria das atividades de musculação. (Foto: Plínio Lopes)
A calistenia proporciona um contato com a natureza bem maior que a maioria das atividades de musculação. (Foto: Plínio Lopes)

A prática esportiva também tem campeonatos para que os calistênicos demonstrem suas habilidades. O I Campeonato Paranaense de Street Workout/Calistenia ocorreu em Cascavel, no ano passado. Diego Porphirio indica a prática pois “é muito bom você conseguir fazer coisas que quase ninguém consegue”, e conta que começou se divertindo e que hoje participa de campeonatos, incentivando os colegas a competir também. Luciano Édson, que começou a praticar a calistenia por influência de Porphirio, conta que gostou do esporte e que tenta chamar os amigos, mas que sente certa dificuldade. “Precisa ter vontade e tem que gostar mesmo pra praticar”, afirma Luciano.

Alguns dos movimentos da calistenia feitos pelo grupo de Curitiba no Parque Barigui. Vídeo: Plínio Lopes
Como faço para participar?
O primeiro passo é ter o aval médico, essencial para o começo de uma prática esportiva. Diego Porphirio conta que após a aprovação médica, é só marcar com o grupo para treinarem juntos, por meio do grupo no Facebook ou WhatsApp. Os treinamentos são específicos para iniciantes, intermediários e avançados, mas acima de tudo, Porphirio afirma que é preciso ter força de vontade e determinação para praticar a calistenia.
Como os exercícios chegam a ser de alto grau de dificuldade, as quedas e lesões são comuns na prática esportiva. Para evitar complicações, é essencial conversar com um profissional de educação física e fazer alongamento e aquecimento antes dos exercícios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *