Conheça algumas iniciativas de atividades para idosos

Projetos, cursos e oficinas auxiliam na melhoria da qualidade de vida da terceira idade e discutem seu espaço na sociedade

Por Janyne Leonardi

O envelhecimento é inevitável. Mas aqueles que chegam à “melhor idade” sabem que isso não deve ser sinônimo de parar de aprender. E cada vez mais isso fica claro para a sociedade e suas instituições. De acordo com o artigo 20 do Estatuto do Idoso (3ª edição), “o idoso tem direito à educação, cultura, esporte, lazer, diversões, espetáculos, produtos e serviços que respeitem sua peculiar condição de idade”.  

Uma das iniciativas que incentivam a concretização do artigo é a Universidade Aberta da Maturidade (UAM). Adelia Junglos Alves é coordenadora do projeto, uma extensão da UFPR que existe desde 2012. Ela conta que a UAM surgiu de uma demanda da gestão da reitoria na época, que procurava viabilizar a universidade – um local considerado tão jovem – para o público idoso, principalmente através de palestras. Os temas mais abordados são saúde do idoso, nutrição, farmácia, inclusão digital, arte e cultura.

Os idosos ainda têm acesso a pesquisas sobre essa parcela da população feitas por estudantes de graduação e pós-graduação, para que possam debater sobre a visão e o papel do idoso na sociedade. Adelia afirma que, após o projeto, os estudantes saem revigorados. “É visível o resultado. Eles terminam o projeto querendo conquistar o mundo”, afirma a coordenadora. Ela ainda ressalta os principais objetivos do projeto, entre eles o resgate da cidadania do idoso e o de auxiliar na saúde mental, mantendo-os ativos na sociedade.

A escola de inglês Tea Time é voltada para adultos acima de 50 anos e oferece uma metodologia diferente das outras devido esta característica. Taíza Lombardi, sócia-proprietária do Tea Time, explica que enquanto os jovens visam aprender inglês para fins acadêmicos, os idosos têm outros objetivos. “Procuramos focar mais na conversação, porque esses adultos vêm em busca do inglês para viajar, para usar no dia a dia”, relata Lombardi. Ela também ressalta a importância da aprendizagem para os adultos. “É uma questão que também envolve a saúde mental. O adulto tem seu ritmo respeitado, é colega de pessoas da sua própria idade, e isso estimula a querer realizar mais atividades. Eles são muito dedicados e possuem muita garra”, adiciona.

Outra iniciativa que procura fomentar a educação e recreação de idosos é a de Bianca Piotto Seidel, coordenadora do asilo São Vicente de Paulo. Enfermeira há mais de 14 anos, conta que desde que assumiu o papel de coordenadora, realiza diversas atividades para aumentar a qualidade de vida dos idosos que moram no asilo. Tricô, dança, passeios, salão de beleza semanal, eventos especiais em dias festivos. Além disso, os moradores têm aulas de artesanato, musicoterapia, pintura, culinária, e podem exercitar a lógica com jogos de tabuleiro.

O trabalho voluntário também é comum no São Vicente de Paulo, onde ajudam os moradores que querem aprender a ler e a escrever. “A voluntária senta ao lado e explica o conteúdo levando em conta que cada um possui uma dificuldade diferente”, conta a enfermeira. Bianca ressalta que todas as atividades são supervisionadas e facultativas, sempre visando o bem-estar e saúde do idoso. O auxílio do restante da equipe, que conta com assistentes sociais, psicólogas e outros profissionais da área de enfermagem, garante que os moradores do asilo se sintam confortáveis e mantenham-se ativos e felizes no novo local que chamam de lar.

Iniciativas como essa trazem a terceira idade para mais perto de ambientes considerados jovens, como universidades e cursos de línguas, e levam mais modernidade para locais tradicionais aos idosos, como os asilos. A melhor idade não deve se tornar obsoleta, mas sim receber e procurar oportunidades para se inserir em uma sociedade diferente. Assim, é possível gerar mais tolerância e diversidade para um mundo que, inevitavelmente, envelhece minuto a minuto.

Inscreva-se na Universidade Aberta da Maturidade

Até dia 26 de maio estão abertas as inscrições para participar do projeto da Universidade Aberta da Maturidade. São 100 vagas, e o formulário para inscrição e outras informações estão no site da UAM. Os selecionados participam de uma entrevista para contar sobre seus gostos e interesses, para que o calendário de atividades possa agradar todos os participantes.

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *