UFPR incentiva Agricultura Urbana

Por ser uma prática sustentável, o fenômeno da Agricultura Urbana cresce em números de adeptos. A ideia principal é plantar em casa, mesmo no ambiente urbano, os alimentos que servirão para o próprio consumo. Além de um ato simbólico contra a agroindústria, ela se preocupa com o equilíbrio de produção entre o campo e a cidade e o manejo de resíduos orgânicos.

Os benefícios à saúde são diversos. Além de consumir um alimento sem agrotóxicos, quem cuida diariamente do próprio alimento tem mais motivação para consumi-lo. Foi o que constatou Marina Gaidex, estudante de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Na janela do seu quarto, no nono andar, Marina mantém uma pequena horta repleta de temperos, como salsinha e cebolinha, e verduras, como a alface.  Além da paixão por cozinhar, o cultivo teve outra motivação. “Não sabemos os efeitos dos agrotóxicos direito. Tenho medo de consumi-los em grande quantidade”, relata a estudante.

Os pesticidas, segundo os cientistas, podem estar relacionados a problemas neurológicos, como o Mal de Alzheimer e o transtorno de déficit de atenção em crianças. Por isso, quem pratica a Agricultura Urbana está menos exposto aos produtos da agroindústria.

Mesmo em um espaço pequeno, como em uma sacada, é possível cultivar alguns alimentos (Foto: Thais Barbosa)

 

Casa da Videira

A Casa da Videira, associação criada e administrada por Eduardo Feniman, mestrando em Agricultura Urbana na UFPR, é uma estação de testes agronômicos em pleno ambiente urbano. No meio do Ecoville, em meio a prédios imponentes e comércio intenso, ela se configura como um verdadeiro reduto das plantas. No espaço, encontram-se pés de hortaliças, como alface e couve, e frutas, como o morango, além de plantas mais raras, como a “azedinha”.

Com a ajuda de voluntários e estudantes da própria Universidade, Eduardo mantém essa plantação sem a utilização de agrotóxicos. O artifício para impedir as possíveis pragas é o plantio da “capuchinha”, vegetal cujas folhas e flores servem como atrativo para os insetos e os afasta das plantas alimentícias. Para a adubagem, é utilizado o esterco e o lixo orgânico, que completa, desse modo, um ciclo de produção ideal.

Para se adaptar ao ambiente urbano, a horta conta com diversos artifícios. Os galhos da macieira plantada na entrada da Casa são presos com barbantes e arames para que a árvore não se expanda muito para os lados. Além disso, Feniman utiliza materiais inusitados como um carrinho de supermercado e potes de pão de queijo para aproveitar o espaço na horta.

 

Feirinha do Agrárias

Para quem tem vontade de consumir alimentos orgânicos a Feira de Orgânicos, que acontece no campus do Agrárias da UFPR, é uma boa opção. Toda terça feira, das 8 às 14 horas, os produtores rurais da Região Metropolitana de Curitiba vendem seus produtos cultivados sem a adição de produtos químicos. Mário Gasparin, agricultor de Rio Branco do Sul e vendedor na feira, garante que o público é bem variado. “Vem gente de todas as idades. Todo mundo anda preocupado com os produtos do mercado”, conta Gasparin.

 

You May Also Like